As tendências do mercado de Design de Produto

retro

A tendência no universo do design muda em uma velocidade absurda. Numa determinada época o que é retrô passa a ser cafona e o moderno passa a ser tendência, já em outro momento o cenário se inverte e as coisas mudam de forma radical. As tendências passaram a ser ditadas por formadores de opinião.
Como formadores de opinião as empresas também estão criando tendências e apostando no design associado com a tecnologia para um grande incremento de vendas, algo que também é notado em venda no Brasil. De um lado apostando na modernidade e olhando sempre para o futuro, do outro temos a busca por referências no estilo de vida vintage.
A decoração de ambientes deixou de ser um serviço de luxo supérfluo para ganhar funcionalidade. A tecnologia aliada a formas arrojadas é hoje o mote do mercado de design de artigos para casa, especialmente para cozinhas e banheiros. Esta tendência de comprova na Kitchen & Bath, feira voltada para os segmentos de arquitetura e decoração. Novos conceitos surgem no universo do design de interiores moldados ao estilo de vida e, assim, os espaços interagem com as necessidades reais das famílias.
A decoração de interiores busca referências no mundo da moda, na arte e no cotidiano urbano. As novas gerações estão interessadas em qualidade de vida e sustentabilidade. O designer, tanto de roupas e acessórios quanto de decoração de interiores, deve estar atento ao estilo de vida e a que tipo de produto excita os consumidores, que estão cada vez mais exigentes. Abaixo é possível conferir tendências fortes:

Idiomatic
Este grupo valoriza a riqueza das diferentes culturas locais. O movimento sugere que “ser provinciano é cool”. Deste modo o design destaca a essência da cultura e a maneira como as pessoas reagem a ela. A valorização tanto a cultura quanto a produção do conteúdo local, permite que o local se inspire e floresça de acordo com as tendências globais, desse modo, a globalização deixa de ser o inimigo. As cores, apresentadas em estampas listradas e vibrantes, são aplicadas em peças retrô, inspiradas em tribos, culturas e tradições locais. É daí que surge o conceito de moda ética.

Wonderlab
O mote do movimento é ver beleza no inesperado e desconhecido. Dessa maneira, as cores vivas ganham destaque em desenhos inspirados em radiografias cerebrais, vírus, moléculas ou na vida aquática. A tendência aqui é procurar viver em novos estilos de vida, buscando conhecimentos raros e inspirados em comportamentos Sci-Tech, unindo, assim, tecnologia e ciência.
No design de interiores, o Wonderlab chega aos banheiros, por exemplo, em uma cor onipresente e blocos monocromáticos e brilhantes, com desenhos moleculares. Já a cozinha pode ser brilhante, colorida – uma cor predominante ou mescla de cores -, pois é um lugar criado para experimentar, o espaço onde a natureza encontra a ciência.

Story of Now
Esta tendência tem uma roupagem mais moderna e contemporânea. Valoriza tudo o que é real, do bonito ao feio, do normal ao estranho, ou seja, a beleza está em tudo o que existe. A inspiração vem da arte de rua e da pós-modernidade. Celebra o real e o mundano e quer transmitir isso na forma de vestir e estar na vida. Este movimento chega ao design de interiores com mobiliário compacto e mais flexível. Os banheiros ganham revestimentos com mais informações e ousadia. A cozinha é o centro da casa, onde as pessoas interagem e se comunicam.

A indústria moveleira nacional ainda acredita que pesquisa e desenvolvimento é luxo para quem fabrica produtos populares, baratos. E é justamente o contrário: com uma margem de lucro menor a empresa deve ser mais assertiva. Definir diretrizes de desenvolvimento com apoio do design é a estratégia dos fornecedores da Ikea, por exemplo, conhecida mundialmente pela oferta de produtos populares. E vale dizer que esta lição foi aprendida há muito tempo pela indústria de moda, especialmente no nicho fast fashion.

Share Button
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

RPHL

Raphael Maia – 26 anos, recifense, designer gráfico e apaixonado por música, cinema e artes visuais.

Comments on Facebook