Red Bull Sounderground traz músicos internacionais para tocar de graça no metrô do Rio

sounderground-red-bull-415x260

Em agosto a festa vai ser no metrô carioca. O festival de músicos de metrô Red Bull Sounderground traz músicos de Londres, Moscou, Paris, Berlim, Montreal e Nova York, além de três atrações cariocas. Comum nos trens de Nova York, Berlim e Londres, os músicos de metrô agora estão também nas estações cariocas. Em agosto começa o Red Bull Sounderground, 3o Festival Internacional de Músicos de Metrô, que traz ao Brasil 12 atrações de oito países para tocar de graça, para quem estiver pelas estações de trens do Rio de Janeiro.

São 48 apresentações gratuitas de atrações internacionais de cidades como Barcelona, Nova York, Londres, Paris, Montreal, Moscou e Berlim, além de três artistas do Rio de Janeiro. Com diferentes influências e estilos musicais, alguns desses músicos internacionais foram ovacionados durante a passagem por São Paulo em outras edições do festival e seguem como artistas independentes se apresentando nas estações de metrô de suas respectivas cidades. De 12 a 15 de agosto, durante o dia e a noite, espera-se que cerca de 1,2 milhão de pessoas confiram os shows durante todo o festival.

Red Bull Sounderground

“O Brasil não tem tradição de músicos de metrô e a proposta de realizar o evento numa metrópole como o Rio de Janeiro é atrair a atenção para uma iniciativa que busca incentivar a abertura deste espaço”, diz Marcelo Beraldo, idealizador do festival. “Além do que, se pensarmos em abrangência e audiência, estamos falando de um dos maiores festivais de música do mundo”.

O metrô do Rio de Janeiro, que sedia o festival, se prepara para manter a música pelas estações cariocas: “O Red Bull Sounderground será o primeiro passo para levar uma experiência musical aos usuários do MetrôRio. Novas intervenções serão desenvolvidas, organizando o espaço para apresentações musicais nas estações”, diz Andre Salles, diretor de marketing do MetrôRio.

Sobre o Red Bull Sounderground:
O festival está na sua terceira edição, as outras duas aconteceram em São Paulo em 2010 e 2012, somando 77 músicos de nove países. A ideia do festival surgiu durante a viagem em que Marcelo Beraldo, criador e diretor do projeto, deu a volta ao mundo. Depois de passar por mais de 16 cidades entre Europa, Ásia e Américas, como Londres, Paris, Barcelona, Lisboa, Moscou, Hong Kong, Pequim e Xangai, e circular por metrôs do mundo todo, veio com a ideia. “Durante minha viagem conversei com gerentes e diretores de metrô de várias cidades. Segundo eles, o público gosta de ouvir música enquanto espera pelo trem e isso chega até a ser associado com uma maior sensação de segurança”, diz Beraldo.

O festival tem apoio institucional da Concessionária MetrôRio e foi contemplado pela Secretaria Municipal de Cultura do Rio de Janeiro por meio da Lei Municipal de Incentivo à Cultura – ISS.

Serviço:
Red Bull Sounderground – III Festival Internacional de Músicos de Metrô
De 12 a 15 de agosto, das 11h às 13h e das 17h às 19h.
Nas estações Siqueira Campos, Carioca, Central, Pavuna, Uruguai e General Osório.
Confira a programação aqui.

Da Assessoria

Mixtape: Músicas de Ukulele, Banjo, Gaita e Guitarra

Untitled-1

Músicas de ukulele, banjo, gaita e guitarra: algo parecido com Dylan nos filmes. Aquela utopia musical ideal para se ouvir em dias de sol ou em dias de chuva com um copo de café do lado e uma tragada de tabaco no pulmão.
Uma reunião do Belle and Sebastian com o Bob Dylan, Andrew Bird, Arcade Fire, Ricky Nelson, Cat Power, Feist, Bon Iver, Devendra Banhart, Sufjan Stevens, Smiths, muita mágoa, amor e música boa.
Como diz a canção: “Se eles seguirem você não olhe para trás; como Dylan nos filmes. Sozinho… Se o seguirem não é o seu dinheiro que eles querem, garoto, é você!”

Músicas de Ukulele, Banjo, Gaita e Guitarra by Raphael Maia on Mixcloud

MIXTAPE BLCKDMNDS 4 anos PARTE II por Thiago Loretto

4b

Pra celebrar mais um ano de vida do BLCKDMNDS, um projeto do qual nossa equipe se dedica tanto e com tanta paixão, nada melhor do que uma comemoração dupla, uma mixtape mais do que especial – um presente do querido Thiago Loretto, dj sensação das festas mais quentes e das pistas mais espertas de Uberlândia – que também é leitor de longa data aqui do blog e gentilmente nos presenteou com uma seleção incrível que sintetiza muito bem nossos quatro anos de existência! Então aperta o play, arrasta o sofá e vem com a gente, porque a festa não pode acabar.

It’s June & BLCKDMNDS is 4 Mixtape by Thiago Loreto

MIXTAPE Intro

Untitled-1

Hoje, dia 06 (seis) de junho, o BLCKDMNDS completa 04 (quatro) anos de vida. E para celebrar esse lindo e saudosista dia de hoje preparamos uma mixtape que viaja no tempo e celebra a boa música.
Muito da moderna música popular, do folk, do rock e de qualquer outro gênero musical que tenha ou venha a surgir tem suas raízes ligadas à música negra americana (com influência do blues, do jazz e da música negra africana) e ao crescimento da música gospel nos anos 1920 do século passado. A base afro-americana da música popular utilizou elementos vindos da música européia e indígena. Os Estados Unidos tiveram também influência das tradições musicais e da produção musical na Ucrânia, Irlanda, Escócia, Polônia, América latina e nas comunidades judaicas. Para celebrar essa miscigenação de culturas nós preparamos um mixtape cheio de música diretamente influenciada ou influenciadora.
Intro serve como uma porta de entrada para o entendimento de onde vem a música de hoje e traz grandes nomes musicais de sempre. Marvin Gaye, Amy Winehouse, Daiana Ross, Frank Ocean, Kelis, Ray LaMontagne, Aretha Franklin e Solange são apenas alguns dos nomes que compõe essa delícia de mixtape capaz de embalar momentos a sós, a dois ou uma celebração inteira! Time to celebrate!

Intro by Raphael Maia on Mixcloud

MIXTAPE CLAXX

CLAXX COVER
Chegou a hora de celebrar os anos 90 e o de melhor que ele nos ofereceu no mundo da música! Party e nostalgia é a proposta dessa mixtape que vem abençoada de tanta coisa boa. Suede, Pulp, No Doubt, Björk, Massive Attack, Madonna, Radiohead, Garbage e mais um monte de gente dividindo uma hora inteira de musica nostálgica e que nunca sai de moda. Coisa que a gente não pode dizer sobre as ponchetes.

CLAXX by Raphael Maia on Mixcloud

As coloridas ilustrações de retratos de músicos por Tuna Bora

18-tuna-bora-2-640x631

Tuna Bora é uma ilustradora freelance natural de Istambul, e atualmente vive em Los Angeles, onde já teve trabalhos em animação, games, comercial e exposições em galerias. Nessa série de ilustrações, a artista cria retratos coloridos de músicos do cenário Indie/Pop, como Daft Punk, Björk, Blood Orange, St. Vincent, Lorde, Jack White, Julian Casablancas, Santogold e muitos outros.

9-santogold

8-tuna-bora-bjork

7-woodkid

Continue Reading

Mixtape 1.32.33 PARTYSINDAHOUSE

Comp 1_00003_905
1.32.33 é uma mixtape feita com muita house music se encontrando com outros gêneros; o que promete transportar quem se propor a ouvir para um estado de espírito onde sentir a música é o que importa. PARTYSINDAHOUSE é a proposta dessa mixtape que, não importa hora nem local, sempre irá ser o momento de se festejar. Com nomes consagrados como os Chemical Brothers, Four Tet, Nicolas Jaar, Bonobo e Moby, a track list também trás novos nomes como Jagwar Ma, Flume, Atoms for Peace, Blood Orange, Mapei, Gold Panda e mais um monte de gente. São 24 músicas em 1:32:33.

1.32.32 by Raphael Maia on Mixcloud

O hip hop cidadão do mundo de Akua Naru

akua_naru_1_1443

Ela nasceu em Connecticut, nos EUA, em uma família que veio de Gana, na África. Cresceu, viajou para África do Sul, deu umas bandas pela China e agora vive na Alemanha. Akua Naru, a menina de 35 anos, parece usar todas essas influências culturais em seu hip hop. Além disso, a moça não hesita em apreciar bons influenciadores como Fela Kuti e Lauryn Hill, desde os anos 90. Do mestre africano, tirou a criatividade para misturar instrumentos e a liberdade para brincar com ritmos. Da musa do R&B mundial, tem um pouco da voz, sensualidade e capacidade de encantar.

Dá pra enxergar nitidamente o jazz em suas músicas, como por exemplo, na canção Poetry: How Does It Feel Now?, com saxofone e baixo muito presentes. Em Take a Ride ela vai além: tem violino, violoncelo, um DJ, além dos habituais instrumentos de sopro, bateria e baixo, acompanhados por uma guitarrinha. É fácil conferir esse trabalho em seu segundo disco, o ao vivo “Live & Aflame Sessions” (2012).

Para este trabalho contou com mais oito músicos competentíssimos e com a mesma levada de pensamento dela. O resultado é deslumbrante, apenas. Dá pra reconhecer as raízes citadas sem muito esforço. Basta apreciar as canções.

O começo de tudo

“The Journey Aflaime”, seu primeiro trabalho lançado em 2011, 18 faixas permeiam a mistureba criativa de Akua. Em “Poetry: How Does It Feel”, por exemplo, uma pegada mais leve casa com uma voz doce, doce. Não a conhece ainda? Sem se preocupar: logo ela vai chegar pertinho de você de alguma forma. Basta conferir a lista de shows agendados pelo mundo em seu site oficial. Enquanto isso dá pra conferir e se apaixonar por ela em seus vídeos publicados no Youtube. Não dá pra negar: é um novo hip hop, para ouvidos sofisticados de amantes – e não amantes também.