Os corpos sem pudor do #OcupeEstelita [+18]

tumblr_n6kc7q0wuV1tyqyfzo1_1280
tumblr_n6kc7q0wuV1tyqyfzo2_1280
Ainda durante a primeira semanada de ocupação no Cais José Estelita, área central da capital do estado de Pernambuco, se via medo, insegurança e esperança de ser ouvido. Esse turbilhão de sentimentos foi exposto em uma oficina próximo aos trens abandonados que existem na área pelo fotógrafo paulista membro do Coletivo Além Mateus Lima.
Em uma conversa aberta foi possível tratar não só sobre o que os ocupantes anseiam de melhor para o espaço como para a sociedade compartilhando experiências, receios, desejos, frustações, dúvidas e questionando assuntos tabus como sexualidade. Ficou claro que a transformação dos que fazem a ocupação já estava acontecendo desde o primeiro momento em que a decisão de ocupar fora tomada.
Através do corpo é possível sentir e se expressar. Passar uma ideia concreta do que queremos e de como absorvemos a troca de experiência com o externo. Nas fotografias fica claro esse turbilhão de sentimentos e a esperança no olhar alheio.
tumblr_n6kc5ozW881tyqyfzo6_1280
Bom quando você faz essas coisas em grupo, no mesmo pensamento, no mesmo intuito, de quebrar os paradigmas instituídos até de uma forma violenta na nossa vida e que a gente não quer ser sempre assim. A gente precisa quebrar esse tipo de coisa.
(Otho)
tumblr_n6kc5ozW881tyqyfzo1_1280
tumblr_n6kc5ozW881tyqyfzo2_1280
Além da sensação de liberdade, tem o fato de você se sentir tranquilo por você não ter olhares de repressão e outros além do que você já vive diariamente.
(Rafael)
tumblr_n6kc5ozW881tyqyfzo3_1280
tumblr_n6kc5ozW881tyqyfzo4_1280
“Acho que existe uma necessidade muito grande na nossa sociedade de um resgate do nosso estado de natureza. As coisas estão muito mecânicas, muito frias. É um trabalho muito bom, que propicia uma interação natural muito necessária.
(Luís)
tumblr_n6kc5ozW881tyqyfzo5_1280
tumblr_n6kc5ozW881tyqyfzo7_1280
Pra mim é uma experiência muito massa quebrar esse paradigma, entrar no eu de novo, se sentir livre. Sou fotógrafo também e essa experiência eu nunca tinha tido, de ser fotografado e ainda mais sem roupa, eu praticamente me senti com roupa de tão confortável que eu estava dentro do ambiente. Me fez me sentir bem.
(Rennan)
tumblr_n6kc5ozW881tyqyfzo8_1280
tumblr_n6kc5ozW881tyqyfzo9_1280
Eu ainda não consegui digerir o sentimento. Gostei muito da ideia, gostei muito da sensação de se sentir livre, mas ainda tenho que refletir mais sobre isso.
(Daniel)
tumblr_n6kc5ozW881tyqyfzo10_1280
tumblr_n6kc7q0wuV1tyqyfzo3_1280
Acho que foi um bom exercício pra desvincular realmente a nudez do sexo. Todo mundo aqui estava de boa, tranquilo, sem necessariamente pensar em sexo e desvincular isso acho que é muito importante.
(Jéssica)
tumblr_n6kc7q0wuV1tyqyfzo4_1280
tumblr_n6kc7q0wuV1tyqyfzo5_1280
Tirar a visão sexual e pôr a visão humana mesmo das pessoas, estar livre, não ter outros olhares, só a pessoa física.
(Bruno)
tumblr_n6kc7q0wuV1tyqyfzo6_1280
tumblr_n6kc7q0wuV1tyqyfzo7_1280
Acho muito interessante a proposta no sentido de que você, pra tirar a roupa, tem um certo bloqueio, uma certa travação, mas depois se torna uma coisa natural, espontânea e, mesmo que apareça alguém que não estava no grupo, você consegue interagir de forma natural também. Uma vez que você tira a roupa, você não quer mais colocar, você quer aproveitar a experiência de viver com o seu corpo, em contato com os materiais, livre, receber um vento, uma brisa legal. Nesse calor aqui a nudez ajuda muito você a estar confortável né, ela só reforça a experiência. Adorei a experiência.
(Rodrigo)
tumblr_n6kc7q0wuV1tyqyfzo8_1280
tumblr_n6kc7q0wuV1tyqyfzo9_1280
Quando a gente está num grupo, com pessoas que são totalmente de boa em relação à ideia, a gente se sente tal como a gente é, humano, só, mais nada.
(Ivana)

Share Button
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

RPHL

Raphael Maia - 23 anos, recifense, designer gráfico e apaixonado por tipografia e ilustração.

Comments on Facebook