As provocativas fotografias de Stella T.

9050527401_4ec054336e_k

9269050017_53f0beaf0e_o

Stella Telatin, ou apenas Stella T, como é conhecida a fotógrafa italiana, ou pouco conhecida, já que, quase nada se sabe sobre ela, apenas seu nome e local de origem. Esse mistério todo envolvendo sua identidade e consequentemente seu trabalho, deixa tudo mais instigante – suas fotografias são provocativas e carregam um misto de surrealismo, mistério, uma boa pitada de criatividade e elementos inusitados.

9429763826_abeda52f46_o

8473883050_072e35e885_z
Continue Reading

Share Button

Seis novas apostas musicais que você precisa conhecer

girlpower

Houve um tempo em que a internet era uma ferramenta mais precisa na difusão de artistas emergentes, há quem sugira que a bloghouse, responsável por catapultar uma centena de novos nomes na música esteja em seus últimos suspiros, em crise ou não, ano a ano aparecem outras centenas de novos nomes tentando um lugar ao sol no avassalador e disputado mercado musical. Nós ainda acreditamos nesse potencial da web 2.0 e em todo caso, listamos seis novas apostas musicais cheias de GIRL POWER para vocês.

Kehlani
kehlani

Natural de Oakland, a jovem Kehlani aponta no cenário do hip hop/ r&b underground como um grande nome para 2015 e se der sorte, para os anos seguintes. Seu álbum ‘You Should Be Here’ já é destaque em blogs especializados pela rede como um dos melhores álbuns do ano até agora.

A revista Billboard não poupou elogios, sua turnê de estréia já está praticamente esgotada e ninguém menos do que Rick Rubin já a adotou como queridinha do momento.

Tkay Maidza
Tkay

Nascida no Zimbábue e naturalizada na Austrália, Takudzwa Victoria Rosa Maidza, conhecida pelo nome de Tkay Maidza tem sido comparada com M.I.A. e Azealia Banks, mas as comparações ficam apenas no fato da garota ser rapper com traços multi-étnicos. Sua música é puro apelo pop, prova disso é que Tkay já performou o hit Fancy juntamente com Charli XcX. A cantora já se apresentou no SXSW 2014, juntamente com outros rappers do mundo todo, incluindo o rapper paulistano Rashid. U-Huh tem tudo pra ser o hit das duas da manhã nas pistas mais descoladas da noite, alguém duvida?


Continue Reading

Share Button

Melancolia e hedonismo no curta ‘El Ultimo Toque’ de Gabriel N. Andreolli

gab2

Lembra quando falamos do trabalho literário do jovem Gabriel N. Andreolli aqui? Pois é, agora o menino prodígio surge para nos apresentar seu trabalho cinematográfico, sim, além de poeta, ele investe na sétima arte. Estudante de Cinema na Universidad del Cine em Buenos Aires na Argentina, Gabriel produziu um curta-metragem intitulado El Ultimo Toque, nele, podemos concluir que seja lá qual for a plataforma por ele utilizada, terá sempre em seu trabalho a assinatura da essência poética. Simples, honesto, singelo e tocante, o curta mostra com delicadeza o sentimento da ausência, explorando os meandros obscuros da melancolia e do hedonismo, naquele que seria o último toque.

Olho nesse menino!

Share Button

Bordado e aplicações em fotografia no trabalho de Amanda Charchian & Jose Romussi

bord1

bord3

Se você é ligado em arte, deve ter notado a emergência do bordado e das técnicas manuais no meio artístico, a prática tem crescido consideravelmente mundo a fora e chama a atenção, principalmente, por deixar expor as imperfeições da técnica, o que de fato é genial. Quando aplicado em fotografias ou ilustrações o trabalho ganha uma nova conotação e passa por uma ressignificação. É o que faz o artista Jose Romussi, buscando inspiração em fotografias em preto & branco para criar uma nova forma através da sobreposição de bordado sobre a imagem. Em parceria com a fotógrafa estadunidense Amanda Charchian, os dois, buscam na composição de cor e texturas um equilíbrio sedutor.

bord6
Continue Reading

Share Button

Conheça “Reality Road” e caia na estrada com Mapei

mapei1

Acho que todos já sonhamos com a ideia de mochilar pela Europa, não é mesmo? Agora imagina se você pudesse fazer isso participando de um reality show com sua melhor amiga e ainda gravar um clipe para seu novo single? Foi exatamente isso que aconteceu com a cantora sueco-americana Mapei, que foi convidada para estrelar o “Reality Road”, série que faz parte da nova campanha de marketing da Volvo Trucks.

Pra quem estava com saudade da cantora, que não lançava nada novo desde o ano passado, quando estourou nas paradas do mundo todo com o hit “Don’t Wait”, dessa vez, ela e sua amiga Liza Morberg,  uma também conhecida diretora de clipes na Escandinávia,  foram convidadas a embarcar  em uma  viagem de caminhão, durante 9 dias, passando por 6 países da Europa, gravando o clipe de seu novo single “Million Ways to Live”, música composta especialmente para o programa e que faz parte de seu novo disco, com estreia prevista para o segundo semestre de 2015.
mapei2

Junto com as duas, embarcam também o motorista do caminhão, Jens Karlsson, e sua cachorrinha Sushi. Diversas aventuras acontecem e o entrosamento das duas, em frente e fora das câmeras é incrível, vale a pena conferir. A série conta com um total de oito episódios, que já estão publicados no canal do YouTube da Volvo Trucks. O resultado dessa aventura você confere no videoclipe, será lançado no dia 2 de julho, junto com a versão integral da música.

 

Share Button

Chicos: um diálogo entre o nu e a desconstrução da identidade do homem gay

leo Paulo-06 PATIO-01_5956-copy-960x667

Chicos é um desses projetos que conseguem retratar de forma poética e profunda um ideal de beleza que entrelaça a formação da identidade e o homem gay. Criado por Fábio Lamounier e Rodrigo Ladeira, o projeto engloba a publicação de ensaios fotográficos, vídeos, ilustrações e depoimentos em um tumblr, e a partir deles é feito um diálogo que explora a desconstrução e reconstrução da sexualidade e a autoaceitação da homossexualidade dentro de um paradigma, tempo e espaço.

Chicos é um projeto sobre o olhar do homem gay sobre o outro: através de depoimentos, texto, vídeo, foto – e o que mais der na telha -, queremos criar um espaço onde estes homens de diferentes origens, realidades, corpos e experiências possam coexistir como personagens de uma teia que se estende muito mais do que num projeto simples, e ainda sim ambicioso.

Continue Reading

Share Button

O streetwear seco e agressivo da Drowsy Apparel

drowsy

O cenário da moda alternativa brasileira ainda encontra barreiras para se destacar e construir uma identidade própria marcante. Em um meio que muitas marcas desenvolvem seus produtos e conceitos copiando-os de marcas estrangeiras, o que é original e inusitado chama a atenção. É o caso da indiscreta Drowsy Apparel, comandada desde 2011 pelos amigos Felipe, Fabieli, Maique e Jhonatan, que se definem como “quatro clássicos jovens chatos que não sabem socializar bem” e que se dedicam a demonstrar seus sentimentos e visão das coisas através do que fazem. A intenção da marca é produzir um conteúdo visual exclusivo que desvie das regras comuns, com o objetivo de trazer uma nova alternativa para a cultura de streetwear no Brasil e se tornar uma referência sombria meio à tempestade.

10491186_992821177412446_2459007580411127242_n

drowsyy

A estética da marca é seca e agressiva, e as estampas são simples e assertivas. O desenvolvimento das coleções é feito com base em experiências pessoais (boas e ruins), e as peças buscam referência em coisas incomuns e geralmente “estranhas”, chamando a atenção de pessoas que compartilham do mesmo universo e se sentem pertencentes a uma realidade que foge dos padrões. O resultado final é uma roupa que traz algo novo e fresco para o mercado de moda street e que explora sem medo referências audaciosas, conquistando um público cada vez mais fiel.

“Estamos em evolução constante nos projetos atuais e futuros da marca, trazendo sempre as coisas novas do mundo streetwear, e mostrando a parte suja disso. Não temos intenção de fazer só roupas bonitinhas, e essa é a real identidade e essência da marca que nunca vai mudar. Nosso conteúdo é naturalmente estranho e obscuro, faz parte do que gostamos, do nosso mundo isolado, músicas e filmes tristes. De qualquer forma queremos mostrar que as coisas bonitas não estão apenas na perfeição, mas também nos detalhes que rejeitamos, odiamos ou simplesmente achamos esteticamente feio, mas tudo tem sentido e alguma expressão no final.” diz Felipe Ukhov.

IMG_9312 2
Continue Reading

Share Button