Intervenção urbana transforma o lixo de rua em arte por Francisco de Pajáro

Francisco de Pajáro17

Francisco de Pajáro16

Francisco de Pajáro15

Francisco de Pajáro14

A série “Art is Trash” do artista espanhol Francisco de Pajáro transforma o lixo de rua em arte. Dando vida as coisas despercebidas pelas pessoas, ele usa sacolas plásticas, colchões, cadeiras, mobílias, e outros objetos variados descartados pela população.  Tudo que o artista encontra na rua vira inspiração para criar um personagem, colocando olhinhos, boca e braços, se transformando em criaturas bizarras, tudo com bastante humor. Como resultado, composições provocativas que questionam o modelo de consumo e descarte da sociedade.

Continue Reading

Projeto de pinturas “White Trash” por Kim Alsbrooks

Sustentabilidade é a palavra do momento, programas de todos os tipos visam um consumo consciente em nossa sociedade, além de ser uma palavra, sustentabilidade é uma ação e para chamar a atenção das pessoas, Kim Alsbrooks criou o projeto “White Trash” que tem como objetivo transformar lixo como latas de refrigerante e copos descartáveis em arte, até aí nenhuma novidade, o que torna o projeto interessante é a base teórica, que vem de sua frustração com algumas das ideologias dominantes, na distinção, em particular da classe. Esta ideologia parecia com base em uma combinação de mito e história sobre velhas guerras e as estruturas sociais. Utilizando retratos de museus, que antes eram pintados em marfim, agora dão vida em lixo achatada de latas de cerveja e fast food. Uma obra crítica e política sobre o consumo desordenado e sob a percepção classista de uma alta cultura erudita, que ganha nova narrativa e nova percepção através do trabalho de Kim Alsbrooks.

Continue Reading

WASTE LAND

Waste Land, é um documentário premiado, dirigido por Lucy Walker que tem abertura em Nova York em 29 de outubro no The Angelika Film Center. O trailer apresentado é fantástico e o conceito do filme é super inspirador.

Filmado ao longo de quase três anos, Waste Land segue o artista Vik Muniz em uma viagem de sua casa no Brooklyn até sua terra natal, o Brasil. Onde visita o maior lixo do mundo, Jardim Gramacho, localizado na periferia do Rio de Janeiro. Lá ele fotografa alguns catadores de lixo, que vivem disso para sobreviver. O objetivo inicial de Muniz foi para “pintar” os catadores de lixo. No entanto, a sua colaboração com esses personagens inspiradores mostra como eles recriam imagens fotográficas de si fora do lixo e revela a dignidade e desespero dos catadores, que começam a repensar suas vidas.

Lixo de NY como souvenir

Sem dúvida é a ideia mais original de souvenier pra quem for a Nova York. O artista novaiorquino Justin Gignac criou um projeto chamado New York City Garbage, que consiste em recolher o lixo nas ruas de Nova York, e por em uma caixinha de acrílico. São coisas que ele encontra jogado na rua como canudo, saco plástico, faixa, embalagens de produtos, latinha de cerveja e outras coisas. A lembrancinha custa 50 dólares. Os lixos de edição limitada é vendido a 100 dólares, pois é recolhido em dias especiais, como no Ano Novo na Times Square, St. Patrick’s day, a posse de Obama, abertura do estádio dos Yankee, entre outros. O artista vem fazendo esse trabalho desde 2001, e de lá pra cá já foram vendidos mais de 1300 caixinhas.

Continue Reading