Hayley Kiyoko e suas faces

Hayley tinha passado um pouco despercebida do cenário musical com o seu primeiro EP intitulado “A Belle to Remember” em 2013 mas parece que a cantora, atriz, roteirista, diretora e musinha resolveu dar novas caras ao seu som, que em seu segundo EP “This Side Of Paradise” aparece muito mais rico em detalhes e vibrante, com algumas batidas kinda 80’s.
tumblr_nqhtdpdIvK1u8oo58o5_1280

Hayley bateu essa semana os 2 milhões de views com seu mais novo clipe fofo “Girls Like Girls”, dirigido pela mesma junto com o produtor e multi-instrumentalista James Flannigan. Com uma fotografia de encantar, o vídeo conta a história de um amor lésbico adolescente com um desfecho mais que sensacional. A mocinha tem investido forte na linguagem visual desse novo EP e todas as artes e clipes produzidos recentemente estão impecáveis. Pra ficar de olho!


Quer ouvir mais?
Continue Reading

Conheça a eletrizante música do projeto brasileiro Peartree

part1

Hate to Say I Told You So, música que mostrou ao mundo a musicalidade do projeto Peartree, ganha um single com seu nome acompanhado do lado-B Get it Back.

A faixa inédita foi, na verdade, a primeira que Felipe Pereira (mente por trás da banda) fez com o nome Peartree. Ela ficou de fora do repertório de seu primeiro EP, que deve sair dentro dos próximos meses, mas ganhou seu espaço na hora de acompanhar o “hit” no single. Get it Back revela também um lado mais dançante do grupo, conhecido por quem já viu alguma de suas apresentações ao vivo – quando Peartree ganha o apoio de Ray Pissinati (guitarra e synth) e Diego Ramalho (bateria). Esse aspecto deve ser notado também em seus próximos lançamentos – desde vídeos até o próprio EP.

Hate to Say I Told You So, antes disponível apenas no Soundcloud e YouTube, logo ganhou a atenção da mídia especializada, de outros músicos e também do público. O single vem como download gratuito (é só marcar o valor “zero” na hora de “pagar”) no Bandcamp e estará também nas diversas plataformas de streaming.
Da pra fazer download e ouvir as músicas do artista aqui.

Para acompanhar e saber mais sobre o projeto, acesse:
Facebook
InstagramTwitter
Soundcloud

Conheça o soul repaginado de Elli Ingram

Autosave-File vom d-lab2/3 der AgfaPhoto GmbH

Quem acompanha meus posts musicais já deve ter notado a minha predileção por cantores ingleses, seja pelo sotaque ou simplesmente pelas composições que sempre vão além e trazem sentimentos reais e sons inovadores, e isso se encaixa perfeitamente com essa jovem de 19 anos que venho falar sobre. Elli Ingram é mais um dos talentos encontrados pelo Youtube, seu cover de “Poetic Justice” conhecida na voz de Kendrick Lamar já ultrapassou as 500 mil visualizações e promete aumentar e muito com a divulgação de seu primeiro EP intitulado  Sober. Trazendo como influência Amy Winehouse, Lauryn Hill, Billie Holiday e D`Angelo, Elli constrói seu primeiro trabalho na base do Soul mas com uma pitada de Jazz e HipHop. Nas seis faixas que compõe Sober, notamos uma construção sólida e adulta que não deixa nada a desejar e nos lembra os primeiros álbuns de Angie Stone, outro grande nome do Soul e se falta ainda um empurrãozinho para você dar play, não perca o cover de “Runaway” de Kanye West.

Ausländer Musik Festival 2013

auslander-musik-festival-rio-de-janeiro-m-mayer-hawthorne-beatrice-eli-girl-talk-brasil_647x430

Imaginem Mayer HawthorneGirl TalkBeatrice Eli,ViceroyThe Misshapes e algumas participações nacionais como o mestre João Brasil, o DJ Zé Pretim confirmados num único dia, em um castelo no Rio de Janeiro. Conseguiram? Esse é o Auslander Musik Festival que para a surpresa da maioria, fugindo do cenário fashion, traz um festival inédito pro Brasil. O festival passa por um financiamento coletivo graças à plataforma do Queremos que é responsável por trazer diversos artistas consagrados e novos nomes da música pro Brasil. O evento deve acontecer caso a meta de 600 ingressos a R$150 seja atingida, podendo depois os tais entusiastas serem reembolsados em até 100% com as vendas padrões. A primeira edição é estimada para o próximo dia 7 de dezembro no Castelo de Itaipava, distrito carioca de Petrópolis, RJ. Mais atrações devem ser confirmadas a longo prazo. Empolgou e quer ajudar a fechar o festival? Corre no site e compre o seu ingresso reembolsável.




via

Mood folk nas composições de Valerie June

Nascida em Jackson, a cantora Valerie June vem colhendo os frutos de seu mais recente trabalho. O álbum Pushin’ Against a Stone lançado no último dia 13 de agosto marca a volta ao estúdios depois de um hiato de 3 anos e se existe uma linha tênua entre o blues e o folk, June  chega para mesclar essas duas vertentes musicais em um álbum orgânico e altamente clasudo, por traz disso temos Dan Auerbach (The Black Keys) e Kevin Augunas (Edward Sharpe & The Magnetic Zeros, Florence & The Machine) que produziram as 12 faixas do disco, o primeiro single Workin´Woman Blues foi composta por June em parceria com ninguém menos que Booker T. Jones (aproveita e já baixe o novo álbum dele que acaba de sair). Mesmo com vários nomes estrelados por traz desse trabalho, June considera esse o seu trabalho mais autoral

“A escolha do nome do álbum foi uma forma de mostrar quão cru e real ele é para mim, essa é a história da minha vida e dos meus antepassados, vivemos empurrando pedras. Quando comecei a tocar instrumentos eu pensei, ok, eu provavelmente não serei a próxima Beyoncé, pelo menos não até eu estar muito velha, mas estou fazendo o que amo. Nada é mais confortável do que chegar em casa depois de um show, sentar na minha varanda e tocar minhas musicas preferidas até chegar a hora de ir pra cama.”

June tem o poder de desencadear emoções e memórias e se você aprecia cantoras como Dolly Parton e Billie Holiday não deixe de ouvir esse ou um dos seus outros 3 álbum.

 

Conheça o indie folk de Kodeline

kodaline

Juntos desde 2006, Stephen Garrigan, Vinny May, Mark Prendergast e Jason Boland a.k.a Kodaline são a nova promessa do indie folk para esse ano, antes vistos apenas em pequenos gigs pelos muitos pubs irlandeses, os caras alcançaram notoriedade após aparecerem na season finale da 7ª temporada da série Grey´s Anatomy  com o single “All I Want” incluso no EP The Kodaline.

Em estúdio desde o segundo semestre de 2012, essa semana chegou à hora de conhecer seu primeiro álbum In a Perfect World. O debut sacia os fãs de One Republic e Snow Patrol com melodias suaves e letras fofinhas sobre amor e  outras coisitas mais, para quem curtir vale a pena procurar pela versão deluxe que traz uma versão cover acústica de Latch do Disclosure que é de arrepiar. E se você não quer perder o tempo com as musicas, se dê de presente pelo menos o clip de High Hopes, que trás os atores Liam Cunningham (0 Davos Seaworth de Game Of Thrones) e Niamh Large em uma trágica história de amor dirigida por Stevie Russell.

Angel Olsen e o mood vintage de suas composições

angles olsen

Nada mais prazeroso do que você clicar em um artista desconhecido no Youtube e perceber que acabou de achar uma mina de ouro e foi assim que me senti ao ouvir Angel Olsen pela primeira vez. Nascida em St. Louis, a cantora de 25 anos ficou conhecida por colaborar com Bonnie “Prince” Billy, e traz para o cenário musical um trabalho bem costurado e com uma leve lembrança à Nancy Sinatra. Lançado em novembro do ano passado, o álbum Half Way Home, o primeiro de sua carreira chega depois do EP Strange Cacti, aclamado pela critica britânica que a declarou como a sensação folk do momento. Suas composições elegantes e atemporais são entregues ao ouvinte com arranjos intimistas e avassaladores que confortam na mesma medida de quebram seu coração. “Eu poderia dizer que meu novo álbum é sobre amores perdidos e encontrados, ou algo que fique no caminho entre isso, ele é sobre muitas coisas, coisas que aconteceram comigo, sentimentos que eu tive durante a sua produção, e não poderia não citar também todas as pessoas que me influênciaram nesse caminho, pois para mim a musica é isso, a eterna procura pelo que escrever, essa procura muitas vezes infrutífera, que te tira do eixo e te machuca, mas que lhe proporciona belas estrófes”. Sua intensidade pode não ser aproveitada por todos, é de certa forma como uma passagem intensa de um livro, uma daquelas que você precisa de um tempo para digerir e provavelmente ler mais de uma vez para poder tirar suas próprias conclusões e logo mais emoldura-lá para nunca mais esquecer.