Red Bull Sounderground traz músicos internacionais para tocar de graça no metrô do Rio

sounderground-red-bull-415x260

Em agosto a festa vai ser no metrô carioca. O festival de músicos de metrô Red Bull Sounderground traz músicos de Londres, Moscou, Paris, Berlim, Montreal e Nova York, além de três atrações cariocas. Comum nos trens de Nova York, Berlim e Londres, os músicos de metrô agora estão também nas estações cariocas. Em agosto começa o Red Bull Sounderground, 3o Festival Internacional de Músicos de Metrô, que traz ao Brasil 12 atrações de oito países para tocar de graça, para quem estiver pelas estações de trens do Rio de Janeiro.

São 48 apresentações gratuitas de atrações internacionais de cidades como Barcelona, Nova York, Londres, Paris, Montreal, Moscou e Berlim, além de três artistas do Rio de Janeiro. Com diferentes influências e estilos musicais, alguns desses músicos internacionais foram ovacionados durante a passagem por São Paulo em outras edições do festival e seguem como artistas independentes se apresentando nas estações de metrô de suas respectivas cidades. De 12 a 15 de agosto, durante o dia e a noite, espera-se que cerca de 1,2 milhão de pessoas confiram os shows durante todo o festival.

Red Bull Sounderground

“O Brasil não tem tradição de músicos de metrô e a proposta de realizar o evento numa metrópole como o Rio de Janeiro é atrair a atenção para uma iniciativa que busca incentivar a abertura deste espaço”, diz Marcelo Beraldo, idealizador do festival. “Além do que, se pensarmos em abrangência e audiência, estamos falando de um dos maiores festivais de música do mundo”.

O metrô do Rio de Janeiro, que sedia o festival, se prepara para manter a música pelas estações cariocas: “O Red Bull Sounderground será o primeiro passo para levar uma experiência musical aos usuários do MetrôRio. Novas intervenções serão desenvolvidas, organizando o espaço para apresentações musicais nas estações”, diz Andre Salles, diretor de marketing do MetrôRio.

Sobre o Red Bull Sounderground:
O festival está na sua terceira edição, as outras duas aconteceram em São Paulo em 2010 e 2012, somando 77 músicos de nove países. A ideia do festival surgiu durante a viagem em que Marcelo Beraldo, criador e diretor do projeto, deu a volta ao mundo. Depois de passar por mais de 16 cidades entre Europa, Ásia e Américas, como Londres, Paris, Barcelona, Lisboa, Moscou, Hong Kong, Pequim e Xangai, e circular por metrôs do mundo todo, veio com a ideia. “Durante minha viagem conversei com gerentes e diretores de metrô de várias cidades. Segundo eles, o público gosta de ouvir música enquanto espera pelo trem e isso chega até a ser associado com uma maior sensação de segurança”, diz Beraldo.

O festival tem apoio institucional da Concessionária MetrôRio e foi contemplado pela Secretaria Municipal de Cultura do Rio de Janeiro por meio da Lei Municipal de Incentivo à Cultura – ISS.

Serviço:
Red Bull Sounderground – III Festival Internacional de Músicos de Metrô
De 12 a 15 de agosto, das 11h às 13h e das 17h às 19h.
Nas estações Siqueira Campos, Carioca, Central, Pavuna, Uruguai e General Osório.
Confira a programação aqui.

Da Assessoria

MIXTAPE BLCKDMNDS 4 anos PARTE II por Thiago Loretto

4b

Pra celebrar mais um ano de vida do BLCKDMNDS, um projeto do qual nossa equipe se dedica tanto e com tanta paixão, nada melhor do que uma comemoração dupla, uma mixtape mais do que especial – um presente do querido Thiago Loretto, dj sensação das festas mais quentes e das pistas mais espertas de Uberlândia – que também é leitor de longa data aqui do blog e gentilmente nos presenteou com uma seleção incrível que sintetiza muito bem nossos quatro anos de existência! Então aperta o play, arrasta o sofá e vem com a gente, porque a festa não pode acabar.

It’s June & BLCKDMNDS is 4 Mixtape by Thiago Loreto

As coloridas ilustrações de retratos de músicos por Tuna Bora

18-tuna-bora-2-640x631

Tuna Bora é uma ilustradora freelance natural de Istambul, e atualmente vive em Los Angeles, onde já teve trabalhos em animação, games, comercial e exposições em galerias. Nessa série de ilustrações, a artista cria retratos coloridos de músicos do cenário Indie/Pop, como Daft Punk, Björk, Blood Orange, St. Vincent, Lorde, Jack White, Julian Casablancas, Santogold e muitos outros.

9-santogold

8-tuna-bora-bjork

7-woodkid

Continue Reading

O hip hop cidadão do mundo de Akua Naru

akua_naru_1_1443

Ela nasceu em Connecticut, nos EUA, em uma família que veio de Gana, na África. Cresceu, viajou para África do Sul, deu umas bandas pela China e agora vive na Alemanha. Akua Naru, a menina de 35 anos, parece usar todas essas influências culturais em seu hip hop. Além disso, a moça não hesita em apreciar bons influenciadores como Fela Kuti e Lauryn Hill, desde os anos 90. Do mestre africano, tirou a criatividade para misturar instrumentos e a liberdade para brincar com ritmos. Da musa do R&B mundial, tem um pouco da voz, sensualidade e capacidade de encantar.

Dá pra enxergar nitidamente o jazz em suas músicas, como por exemplo, na canção Poetry: How Does It Feel Now?, com saxofone e baixo muito presentes. Em Take a Ride ela vai além: tem violino, violoncelo, um DJ, além dos habituais instrumentos de sopro, bateria e baixo, acompanhados por uma guitarrinha. É fácil conferir esse trabalho em seu segundo disco, o ao vivo “Live & Aflame Sessions” (2012).

Para este trabalho contou com mais oito músicos competentíssimos e com a mesma levada de pensamento dela. O resultado é deslumbrante, apenas. Dá pra reconhecer as raízes citadas sem muito esforço. Basta apreciar as canções.

O começo de tudo

“The Journey Aflaime”, seu primeiro trabalho lançado em 2011, 18 faixas permeiam a mistureba criativa de Akua. Em “Poetry: How Does It Feel”, por exemplo, uma pegada mais leve casa com uma voz doce, doce. Não a conhece ainda? Sem se preocupar: logo ela vai chegar pertinho de você de alguma forma. Basta conferir a lista de shows agendados pelo mundo em seu site oficial. Enquanto isso dá pra conferir e se apaixonar por ela em seus vídeos publicados no Youtube. Não dá pra negar: é um novo hip hop, para ouvidos sofisticados de amantes – e não amantes também.

Rico – A promessa da música eletrônica brasileira

rico_pool

Nem parece brasileiro – essa é uma reação unânime pra quem ouve Rico pela primeira vez, talvez seja a nossa síndrome de vira-lata falando mais alto ou apenas a falta de uma referência sólida na produção nacional de música eletrônica. A verdade é que não temos uma tradição na música eletrônica, apesar de já termos revelado grandes nomes como Renato Ratier, Marky, Andy e mais recentemente Boss in Drama e Zegon.

O jovem produtor mineiro, Rico, chega pra virar esse jogo e desponta como uma promessa da nova safra de artistas dispostos a arriscar no campo da House. Envolvido com a música desde muito cedo, começou a produzir aos dezessete anos e tem na bagagem referências que vão de Julio Bashmore, Machinedrum à George Fitzgerald, muita coisa brasileira e principalmente a famosa house dos anos 90′. Sua música é elegante, envolvente, rica em referências, sofisticada e muito bem elaborada. Então dá o play e vem ouvir essa delícia com a gente!

Mixtape Verano III por Bê Alencastro

veranoIII

O Verão já começou faz algum tempo, o calor deu uma trégua e até o horário especial que o acompanha aqui na terra tupiniquim já acabou, mas a verdade é que o verão é um estado de espírito e para celebrá-lo o nosso querido Bê Alencastro fez uma mixtape especialíssima para a já famosa seleção Verano, que chega na sua terceira edição, com músicas escolhidas a dedo. Então pega seu drink, se joga na piscina, na praia, arrasta o sofá, chama os amigos e vem curtir esse groove com a gente.

Mixtape Verano III by Bê Alencastro on Mixcloud

O indie pop escandinavo do trio NoNoNo

nonono

Deve ser o frio a principal fonte de inspiração para as novas revelações suecas. Depressão? Não! As músicas são ótimas e algumas têm uma pegada bem alto-astral. O lance todo é que o processo de criação é mais aguçado na tristeza, não é mesmo? Se depender das comprovações recém-chegadas em forma de canções que grudam na mente, os profissionais estão certos. Afinal, o país escandinavo vêm produzindo sucessos que, na miúda – e com a ajuda da internet, conquistam os ouvidos mais ávidos por boa música. Um ótimo exemplo é o trio NoNoNo.

Formado pela dupla de produtores musicais Astma e Rocwell – que nos fizeram o favor de lançar a dupla também sueca e sucesso mundial, Icona Pop, e pela doce voz de Stina Wäppling, o trio faz um som meio assobiante-indie-pop, carregado de efeitos eletrônicos e uma bateria precisa e característica, que fica na cabeça.

Promissora

O NoNoNo meio que despontou ao lançar, ao final de 2012, o single “Like The Wind” em seu SoundCloud. Algumas pessoas ouviram, mostraram para outras, que mostraram para outras e, ao final, todos assobiavam a mesma melodia. Os sintetizadores acompanham o trio com a maior harmonia e fidelidade aos bons ouvidos. Mais ou menos no meio do ano passado o NoNoNo lançou o clipe de “Pumpin’ Blood” e agradou geral. Eles ainda não têm disco de estreia, mas quem precisa? A mesma “Pumpin’ Oremos!Blood” foi o mote da apresentação em meados do último outubro no programa de Jimmy Kimmel e encantou os EUA.

Aqui no Brasil, por enquanto, nos resta esperar que algum abençoado festival os traga para cá!

Texto – Rafaela Pietra

A sutileza do jazz/pop de Caro Emerald

emerald-caro-4f993adce0925

Para quem curte um pouquinho de jazz no final da tarde a sedutora pin-up Caro Emerald já é velha conhecida. Dona de uma voz delicada e um senso de humor memorável, Caro Emerald tem feito história no cenário do novo jazz com um toque pop, que mistura a bateria ritmada, o saxofone e o baixo a toques eletrônicos aqui e ali. Famosa pelo single “Back It Up”, presente em seu álbum de estreia Deleted Scenes from the Cutting Room Floor, a cantora holandesa ficou conhecida em 2010 e, desde então, não parou mais de nos surpreender.

Esmeralda Caroline van der Leeuw nasceu em Amsterdã e, além de cantora, é professora de canto e treinadora vocal do famoso programa X-Factor. Além disso, se envolve em milhares de projetos musicais, como o Les Elles, um conhecido grupo vocal harmônico de Amsterdã, e a orquestra Philharmonic Funk Foundation.

Texto Rafaela Pietra