Apoio ao casamento homoafetivo é o enredo do curta Same Love

A música não é apenas uma forma de expor sentimentos de forma crua, mas também um caminho para mostrar os problemas sociais e políticos de uma sociedade. Letras contendo fatos históricos, guerras, desigualdade social e censura já foram escritas por grandes nomes como Erykah Badu, U2, Green Day, Ice Cube e Chico Buarque, que viveram de perto a opressão e o descuido social, mas ao invés de se abalaram, lutaram com sua maior arma, sua voz.

Um grande exemplo disso é o rap, visto com preconceito na década de 70, suas letras exaltavam temas como sexo e drogas do mesmo modo em que falava sobre a violência nas favelas e a dificuldade de interação com os “brancos”. Se os problemas mudam, a música como organização também é afetada e é nessa quebra de modelo que o duo Macklemore and Ryan Lewis chamam a atenção. Lançado em outubro, o single Same Love faz o hip-hop abraçar causas como o homossexualismo e o casamento homoafetivo. A letra narra a história de um homossexual desde a sua infância e ainda parodia o fato do hip-hop deixar de lado essa parcela da população que assim como eles, não são vistos com bons olhos.

O single potencialmente forte merecia um video a sua altura e por isso foi convocado ao time o trio Ryan Lewis, Jon Jon Augustavo e Tricia Davis, que em pouco mais de sete minutos conta a batalha diária de apenas mais um cara na multidão. Vale lembrar que entre rimas e versos temos uma surpresa muito agradável, a iniciante Mary Lambert, que chega com a premissa de despontar nos próximos meses.

same_love