O quadro Nighthawks de Edward Hopper e suas releituras

nighthawks_by_gulliver63-d58czxh

3637568156_a89a468dc5_o1

Nighthawks  Edward Hopper

Dono de uma obra altamente original, Edward Hopper transmitiu através de suas pinturas, uma visão inquietante da vida moderna americana do XX, na qual enfatizou sobretudo a solidão e o isolamento do homem no ambiente urbano e registrou a experiência da realidade cotidiana, com sua trágica banalidade. Nighthawks (Notívagos, 1942) não é apenas seu quadro mais conhecido, como também é sua obra-prima, expressando com extrema sensibilidade a solidão e o isolamento da humanidade. No quadro, podemos perceber que suas já solitárias ruas ficam ainda mais solitárias à noite. E o espaço vazio, ainda mais inquietante quando preenchido pela escuridão. Os notívagos refugiam-se em um bar qualquer de Nova York. As mãos do casal quase se tocam, embora eles não se olhem e nem se falem, criando um efeito de estranho isolamento. A pintura foi feita em 1942, contudo poderia muito bem ser uma representação de nossa geração, no lugar de um bar teríamos um starbucks e o efeito de isolamento se daria pela desconexão humana causada pelo uso das redes sócias. Justamente por representar o crescente distanciamento humano é que a obra se mantém atual e ganha frequentes releituras, adaptações, reinterpretações, atualizações e paródias. Muitas delas fazem referência a cultura pop, se apropriando de figuras históricas, celebridades, filmes e desenhos. Enquanto outras assumem um ar mais irônico e as vezes politizado e se propõem a romper e perturbar com a inércia dos personagens originais.

Continue Reading

Edward Hopper e o retrato subjetivo da solidão humana

Edward Hopper, artista americano, retratou com muita realidade a solidão do homem fragmentado e afetado pelo capitalismo do início do século XX. A solidão, o vazio e a perda de sentido do novo homem urbano aparecem aprisionados no tempo pelo pincel de Hopper. Ele foi um artista realista, sempre se preocupando em retratar fielmente uma cena, e é isso que podemos encontrar em seu trabalho, uma cena. Um momento aprisionado em suas telas, sem diálogo ou movimento, um momento solitário e cheio de sentido.

Continue Reading